Artigos

Você sabe Treinar?

Publicado em outubro 30, 2008 | | Deixe um comentário

A grande maioria das pessoas acredita que quanto mais suam, mais calorias queimam, mais peso perdem, não é mesmo? De certa forma, sim, eles estão certos.

As atividades cardiovasculares, como correr, andar de bicicleta e nadar, queimam muitas calorias. Na verdade, costumam queimar mais do que outras formas de exercícios, como o treinamento com pesos (musculação), ioga e pilates. No entanto, quando se trata do controle do peso, a atividade aeróbica é superestimada.

Por quê? Por um motivo: o exercício aeróbico desenvolve pouco a musculatura – se é que desenvolve algum músculo, mas o músculo é o componente fundamental para um metabolismo acelerado. Ele queima gordura. Acrescente cerca de 500g de músculos, e o corpo queimará até 50 calorias adicionais por dia só para mantê-los. Com mais 3 kg deles, você queimará em trono de 300 calorias por dia apenas ficando sentado sem fazer nada. VIVA!!!

De um modo geral, durante a atividade física o corpo precisa de glicogênio (a forma armazenada de carboidratos nos músculos e no fígado), de gordura e, em alguns casos, de proteína. Quando você faz um exercício aeróbico de baixa intensidade, o organismo usa inicialmente gordura e glicogênio (carboidratos) como combustível. Se essa atividade se estende por períodos mais longos (20 minutos ou mais), ele entra em depleção, isto é, esgota as fontes de energia da primeira camada (as reservas de glicogênio) e passa a procurar a fonte mais fácil de energia que pode encontrar: a proteína. Começa então a consumir o tecido muscular, convertendo a proteína armazenada nos músculos na energia necessária para continua o esforço. Depois de alcançar esse nível, o corpo queima de 5 a 6g de proteína para cada 30 minutos de exercício persistente. Ao queimar esse nutriente, você está perdendo não apenas uma oportunidade de se livrar da gordura como também um músculo poderoso e importante.

Portanto, a atividade aeróbica diminui a massa muscular. E a redução dessa massa, em última análise, desacelera o metabolismo, o que facilita o aumento de peso.

Referências Bibliográficas
ZINCZENKO, David. Com TED SPIKER. A dieta do abdômen. Rio de Janeiro, Sextante, 2005.