Artigos

A “Febre” nas Academias

Publicado em novembro 23, 2018 | , , , | Deixe um comentário

Assim como um termômetro nos ajuda a medir a temperatura corporal, identificando uma febre ou algum problema de saúde, os indicadores de resultados mostram a situação atual e futura de um aluno. Eles nos ajudam a entender de maneira clara como o nosso planejamento está caminhando, informando se estamos no caminho certo ou nos alertando de uma crise futura (Rebouças, 2017).

Assim funcionam os serviços de um Personal Trainer que tem por princípio básico o zelo pelo cliente, o cuidado, o tratamento “Personalizado” e ao mesmo tempo encaminhando-o para o desenvolvimento da performance, que culminará com a consagração dos seus objetivos traçados nos primeiros dias através das anamneses e avaliações destinadas para tal.

Sem essa programação/planejamento, as devidas avaliações e o controle de todas as variáveis intervenientes, não será possível garantir bons resultados, segurança na prática desportiva, motivação, variações na escolha dos exercícios que irão compor o programa de treinamento.

Para tal é necessário contar com a participação de um Personal Trainer responsável, dedicado, experiente, que possui uma gama de informações e vivências no decorrer de sua carreira que irão se transformar em inúmeros benefícios para quem os tem como orientadores, sendo a SEGURANÇA um dos mais importantes visto que o contingente de pessoas lesionadas pela falta de orientação qualificada e até mesmo pela ausência total de orientação é significativamente alta.

A “Febre” nas academias (com raras exceções) é a prescrição de exercícios e atividades sem um controle sequer, sem avaliações, sem sondagens que serão determinantes para o estabelecimento de um diagnóstico preciso. A grosso modo seria como chegar no seu médico e dizer: “Estou com muita dor de barriga”. Seu médico então diria: “Vamos fazer um cirurgia de apendicite.”

Isso não existe, não é verdade.

Agora você decide. Vai curar sua “Febre” ou vai para UTI?

Bons treinos.

Um forte abraço.
Prof. Jeferson Porto