Síndromes Dolorosas dos Membros Superiores I

Publicado em 27/02/2006, Fisiologia, 313 Comentários

Síndromes dolorosas são comuns nos membros superiores (MMSS). Podem ser decorrentes de acometimento por processos degenerativos, metabólicos, inflamatórios, infecciosos, neoplásicos, macro ou microtraumáticos de inúmeras estruturas localizadas na região cervical, torácica, abdominal, MMSS, medula espinhal e encéfalo, incluindo músculos, ligamentos, tendões, ossos, articulações, nervos periféricos, vasos sanguíneos e linfáticos, estruturas viscerais, sistema nervoso (SVC) e sistema nervoso periférico (SNP) ou expressar afecções sistêmicas.

AFECÇÕES DO APARELHO LOCOMOTOR

As afecções dolorosas músculo-esqueléticas dos MMSS podem ser decorrentes de contusões, entorces, fraturas, deslocamentos, instabilidades articulares, artropatias (inflamatórias, degenerativas, infecciosas, neoplásicas e metabólicas), sinovites, bursites, tendinites, lesões ósseas (fraturas, tumores, infecções e metabolopatias) e síndromes dolorosas miofasciais, entre outras.

As bursas são cavidades revestidas de tecido conjuntivo e sinóvia, tem superfície interna lisa e contêm líquido sinovial. Possibilitam deslizamento fácil, suave e harmônico das estruturas em locais onde há acentuado grau de movimento, mesmo na ausência de articulação verdadeira, tal como ocorre quando dois músculos relacionam-se com direção e força de tração opostas, em locais onde músculos e tendões cruzam-se e onde os tendões sofrem atrito contra os ossos, ligamentos ou outros tendões.

Quando lesadas, inflamam-se e geram espessamento da parede e aumento do líquido sinovial. Os ligamentos são feixes de fibras colágenas dispostas regularmente com tendência à disposição espiral e muito sensíveis à tensão na maioria das posições que a articulação adota. Podem ser capsulares, extra-capsulares e intra-capsulares. Atuam como elementos que estabilizam, limitam e orientam os movimentos e como sinalizadores de sensibilidade para os movimentos e posicionamento dos segmentos corpóreos e para ativação de mecanismos musculares reflexos.

SÍNDROME DOLOROSA MIOFASCIAL (SDM) E FIBROMIALGIA

A região cervical, a cintura escapular e o membro superior são locais freqüentes de dores primárias ou referidas de pontos dolorosos musculares latentes ou ativos, que podem ser resultantes de estressores físicos e emocionais. A partir de estímulos iniciais (traumatismos, fadiga, estresses físicos e mentais) são gerados focos de estímulos desencadeando pontos gatilhos onde ocorrem alterações isquêmicas. Os músculos associados acometendo pontos gatilhos podem tornar-se tensos e mais susceptíveis à fadiga. Estas modificações acentuam as reações locais ao estresse, à fadiga e aos estímulos dolorosos devido à redução do limiar de excitabilidade nas terminações nervosas.

OSTEOATRITES OU OSTEOARTROSES (doenças articulares degenerativas).

É processo crônico, degenerativo e inflamatório que acomete as articulações diartrodiais. É mais comum em mulheres entre a quarta e quinta década de vida e após a menopausa. Traumatismos prévios nas articulações acometidas, posturas, obesidade e alterações endócrinas, entre outras causas, podem desencadear ou manter o processo degenerativo. Os estresses mecânicos ou microtraumatismos agem sobre a superfície articular podendo desencadear o quadro, a reação inflamatória ativa enzimas que provocam erosão da cartilagem.

DOR NO OMBRO

A dor e disfunção no ombro podem ser ocasionadas por traumatismos de repetição, traumatismos agudos, artropatias, infecções localizadas, tumores, síndrome do impacto (quando os tendões do músculo (m.) do manguito rotador chocam-se com estruturas suprajacentes), afecções da articulação acrômio-clavicular e esterno-clavicular.

ARTROPATIAS DO OMBRO

O ombro é uma das articulações mais complexas do corpo humano. Apresenta alto grau de mobilidade e é vulnerável à instabilidade, sobrecargas repetidas e posturas inadequadas; envolve a função integrada de diversas articulações, ossos, músculos e tendões. Apresenta os movimentos mais completos e complexos do corpo porque é composto de três articulações (esterno-clavicular, acrômio-clavicular e gleno-umeral) que atuam com a articulação escapulo-torácica sincronizadamente, possibilitando extensão, flexão, abdução, adução, rotação interna e externa do braço. Entretanto, o movimento destas três articulações pode ser inibido devido à dor, anormalidades neurológicas e afecções articulares ou de partes moles.

Dor no ombro é uma das causas mais comuns de dor músculo esquelética, em indivíduos com mais de 40 anos de idade. O ombro doloroso é, geralmente, resultado do comprometimento de estruturas peri-articulares, particularmente do manguito rotador. O manguito rotador é constituído pelos tendões do músculo supra-espinhal, infra-espinhal e do redondo menor que se inserem na tuberosidade maior do úmero e pelo tendão do sub-escapular que se insere na tuberosidade menor.

TENDINITE DO MANGUITO ROTADOR

O manguito rotador é uma banda de tecido fibrotendinoso composto pelos tendões de três músculos acima citados, situados ao redor do colo anatômico do úmero. A inserção do m. supra-espinhal apresenta suprimento sangüíneo deficiente, fato que facilita a sua degeneração e induz à instalação de sintomas após traumatismos de pequena monta durante a execução de atividades normais.

A compressão dos tendões é causa comum de tendinite do manguito rotador. Pode ocorrer em casos de doenças degenerativas em que há formação de osteófitos na articulação acrômio-clavicular e em doentes que executam atividades repetitivas ou sustentadas que envolvem elevação do ombro.

O tendão do supra-espinhal é o mais frequentemente comprometido nestas condições; o tendão do infra-espinhal, como também da cabeça longa do bíceps pode também comprometer-se. A tendinite do manguito rotador caracteriza-se por dor, predominantemente noturna, situada na face lateral do ombro, na região lateral do deltóide e na área do tendão do supra-espinhal. Dor durante o arco de abdução de 60 e 120 graus sugere comprometimento do manguito rotador ou tendinite do supra-espinhal.

LESÃO DO MANGUITO ROTADOR

É rara em indivíduos com menos de 40 anos de idade. Nos indivíduos jovens, a lesão do manguito rotador, geralmente é precedida de traumatismo; em idosos, pode decorrer de alterações degenerativas, traumatismos leves ou instalar-se na ausência de traumatismos. A história deve incluir dados sobre adoção de posturas durante o trabalho (postura dos braços sobre a cabeça), quedas com traumatismos no ombro ou quedas interrompidas com extensão do braço e da mão causando fratura ou deslocamento do ombro.

O doente pode perder o controle motor para abaixar o braço, que cai livremente. A lesão pode ser completa ou parcial. As lesões mais graves são caracterizadas pela ocorrência de dor intensa e impotência funcional. A lesão maciça do manguito rotador em indivíduos idosos pode resultar em artropatia do ombro, com migração acromial da cabeça do úmero, redução do espaço sub-acromial e alterações degenerativas da articulação gleno-umeral. Esses achados são particularmente freqüentes em mulheres idosas.

BURSITE

É uma reação inflamatória aguda das bolsas sinoviais frequentemente associadas ao depósito de material cálcico e a alterações degenerativas ou inflamatórias dos tendões e músculos adjacentes ou a traumatismos diretos. Casos primários são raros. É essencialmente afecção de indivíduo adulto; ocasionalmente ocorre em jovens (associada a alterações inflamatórias). A bursite sub-deltóidea é a mais freqüente. A abdução passiva é limitada entre 70 a 115 graus devido à dor. A dor é aguda e localizada; piora acentuadamente com a abdução e rotação externa do braço. É exacerbada durante quaisquer movimentos à noite.

SÍNDROMES DOLOROSAS DO COTOVELO

Exceto em casos de doentes com artrites e processos inflamatórios sistêmicos, a dor do cotovelo é geralmente particular. A amplitude da movimentação articular passiva geralmente é livre e indolor, exceto quando há acometimento articular. As artropatias inflamatórias também podem acometer o cotovelo. Em casos de artrite reumatóide podem ocorrer a bursite alecraniana e os nódulos reumatóides. A osteoartrite raramente acomete o cotovelo, exceto em indivíduos com história prévia de traumatismos ou com lesões repetitivas importantes como ocorre em esportistas, arremessadores e trabalhadores braçais. Alterações similares aos da osteoartrose podem ser observadas em artropatias de depósito como a do pirofosfato de cálcio.

EPICONTILITE LATERAL

É conhecida também como epicondilite do tenista. A epicondilite lateral do cotovelo é uma das causas mais comuns de dor no cotovelo. O epicôndilo lateral é o local de inserção dos músculos extensores do punho e dos dedos; a epicondilite lateral é precipitada, geralmente, por movimentos repetitivos ou vigorosos de preensão ou extensão do punho. Ocorre, freqüentemente, em indivíduos de média idade, com exceção dos casos de distúrbios osteoarticulares relacionados ao trabalho (DORT); é freqüente em indivíduos que praticam esportes tipo tênis ou executam movimentos repetitivos de punho e digitação sem apoio de antebraço e punho.

A dor é referida na região lateral do cotovelo e é exacerbada durante a preensão. As manobras que geram ou agravam a dor são a extensão resistida do punho e o do terceiro dedo; o alongamento passivo dos músculos extensores do antebraço pode também gerar dor. O alongamento suave desses músculos é recomendado desde que se respeitem o limite da amplitude dos movimentos sem dor. O alongamento vigoroso deve ser evitado para não agravar o quadro clínico. O relaxamento e o alongamento de outras estruturas musculares da região cervical, trapézio, região escapular, tríceps e extensores deve ser realizado concomitantemente para melhorar a eficácia do tratamento.

EPICONDILITE MEDIAL

Em indivíduos que executam atividades repetidas de flexão do punho e dedos e pronação do antebraço como em trabalhadores braçais ou em esportistas podem ter dor e sinais inflamatórios na região do epicôndilo medial, caracterizando a epicondilite medial. É muito mais rara que a lateral. Indivíduos que trabalham com flexão do cotovelo apoiado em superfícies duras podem também desenvolver dor na região medial do cotovelo. Flexão resistida do punho e pronação do antebraço agrava os sintomas dolorosos.

Fonte: YENG, Lin Tchia. TEIXEIRA, M. J. PICARELLI, Helder. OKANE, Sérgio Yoshimasu. ROMANO, Miriam Aparecida. BENEGAS, Eduardo. FRANCO, Regina Aparecida. AZZE, Ronaldo J. ARAÚJO DE ANDRADE, Daniel Ciampi. Síndromes dolorosas dos membros superiores. Rev. Med. (São Paulo), 80(ed. esp. pt.2):317-34, 2001.

313 Comentários

  • rompi o tendão extensor longo do polegar e perdi a oponencia do mesmo, o medico quer fazer a cirurgia de transferencia do tendão do indicador para o polegar, estou muito preocupado com essa técnica, gostaria de saber de vcs fisioterapeutas se essa cirurgia tem bons resultados, pois o propio medico ja me disse que os ganhos são lentos e as vezes não tão satisfatorios.

  • Bom dia, Me chamo Ester, tenho 29 anos, sou técnica em segurança do trabalho e estudo engenharia ambiental. Outro dia estava só no almoxarifado da empresa e um dos funcionários precisava de um jaleco em pvc, tentei pegá-lo pois estava acima de outra caxa na pratelera superior de uma estante de ferro. A mesma caiu para lateral direita, eu tentei pegar a mesma e meu ombro (direito) eu um estalinho muito baixo, daí então comecei a sentir dores no mesmo, em seguida na coluna…
    a empresa não me permitiu abrir CAT e falou que era besteira, dor persistiu e alguns dias apos fui ao médico pois depois do ocorrido comecei a me sentir ansiosa e tive um sangramento de 10 dias, com a ida a ginecologista aproveitei para procurar um pedico que me passasse algo que diminuisse as dores do ombro, o medico que me atendeu pediu-me uma USG onde constatou TENDINOPATIA INFLMATORIA DO SUBESCAPULAR.
    A empresa me demitiu por enviar lhes um atestado de 10 dias, estou em tratamento fisoterapeutico e tomando alguns remédios. De ante mão, gostaria de entender exatamente o que aconteceu pois o ortopedista diagnosticou TEDINITE e pois um CID10 755 (BURSITE) me deu mais 60 dias de atestado (laudo médico).
    SOCORRRRRRRRRRRRRRRRRRRRO!!

  • Olá Ester,
    Seu caso foi uma tendinite pos-trauma, mas o melhor a fazer é voltar ao médico e pedir uma avaliação do seu caso. Geralmente o CID é colocado para relatar o que o paciente tem, como está diferente volte ao médico. Continue com a fisioterapia. Quero saber de sua nova visita ao médico e, nos deixem informados.
    Cuide-se.

  • Fiz um raio x no braço esquerdo, e no resultado deu alterações degenerativas no acetabulo maior do umero, o que significa isso e qual o tratamento.

    Após fiz uma ultrassonografia e o resultado foi *tendinopatia do tendão longo do bíceps
    *tendinopatia cronica do tendão supra-espinhoso
    *bursite
    Gostaria de saber o que é isso.
    Seria possível me indicar um tratamento. Obrigada.

  • Fiz um raio-x do ombro e braço esquerdo há menos de um mes, o resultado foi alterações degenerativas no acetabulo maior do úmero, o que significa isso e qual o tratamento.

    Logo após fiz uma ultrassonografia e o resultado foi *tendinopatia do tendão longo do bíceps

    *tendinopatia cronica do tendão supra-espinhoso

    *bursite.
    Gostaria de saber do que se trata e qual o tratamento indicado. Obrigada.

  • Prezada Sra. Vera, desculpe-me pela demora em responder, estava de férias. Vou passar seu questionamento para os profissionais responsáveis. Obrigado pela participação. Um abraço.
    Prof. Jeferson Corrêa Porto

  • Dona Vera,
    O que foi encontrado em seus exames diz que a senhora pode ter sinais de artrose ( desgaste ), enquanto as tendinite seriam inflamações nos tendões e na bolsa que reveste a articulação no caso da bursite. O tratamento seria a medicação que seu médico passará e fisioterapia.
    Após a fase inflamatória passará, recomendo que faça alguma atividade para fortalecer e alongar o corpo de uma forma global.
    Estou a disposição .
    Cuide-se .

  • Fiz uma ultrassonografia do punho direito e apareceu que o nervo mediano é hipocogenico com sinais de espessamento, no limite superior da normalidade. Oque isto significa. Além disto tenho o quarto dedo da mão direita que estrala e doí, oque pode ser. Obrigada.

  • Olá pessoal,
    Li as suas histórias e resolvi compartilhar o problema que tive com o ombro direito. Certa vez estava demonstrando um exercicio fisico e infelizmente caí sobre o ombro direito, foi uma dor terrível, não houve fratura , tomei analgésico , porém a dor continuava, procurei um ortopedista e o diagnóstico foi ´lesão no manguito rotador. Por diversos meses senti desconforto, então comecei
    a fazer Yoga e natação, a dor foi diminuindo até desaparecer por completo. Hoje recomendo a todos que pratiquem natação em agua fria, temperatura 25 graus é o melhor remédio,
    Boa sorte a todos.

  • a dois anos faço tratamento tenho bursite ,sindrome do manguito rotador,artrose degenerativa. ainda sinto muita dor e estou para fazer uma cirurgia. minha ultima resonancia nao deu o mesmo resultado e ainda nao mostrei para o meu medico, o resultado deu labio glenoidal sem sinais definidos de roturas,tendinopatia do suupra espinhal sem ruturas definidas,tendinopatia do subescapular com fiissuras longitudinais degenerativas intrasubstanciais sem transfixaçoes. gostaria de saber se este e o mesmo resultado anterior

  • Meu exame de Ressonancia MAGNETICA DO Ombro direito Conclusao 1 artrose acrômio-clavicular 2 Bursite subacromial-subdeltodea 3 Peritendinite bicipal 4 rotura subtotal do tendão do musculo supra-espinal 5 Lesão parcial dos tendões subescapular e infra-espinal Observações Aumento de sinal em T2-STIR com liquido laminar localizado entre a tela subcultanea e o musculo detoide na porcao lateral lesão grau 1 da musculatura deltoide o que significa esses resultados

  • Peguei um resultado agora que diz:::::: nervo mediano com espessura no limite superior da normalidade e cisto artrossinovial e tbem :::::tendinopatia calcificada do supraespinhal e tendinopatia ou rotura do terço medio do subescapular
    O que significa
    por favor

  • Meu braço direito começou a doer quando fico com ele flexionado, perdendo a força, tempos atras fiz um exame do punho que demostrou que o nervo mediano esta com sinais de espessamento, hipoecogenicidade e com 11cm², pode ter alguma relação? Se puder me responda….OBRIGADA.

Deixe um comentário

Buscar

Categorias

Comentários

Newsletter

Diversão & Arte

Diversão & Arte